Sexo oral pode aumentar chances de câncer de cabeça e pescoço

Embora o hábito de fumar e o consumo de álcool ainda sejam os principais fatores de risco para o desenvolvimento do câncer de cabeça e pescoço, outro vilão tem preocupado especialistas no mundo inteiro por pesar no aumento da incidência do câncer de garganta (orofaringe) e, segundo demonstram alguns estudos recentes, do câncer de boca. Trata-se do Vírus Papiloma Humano, ou simplesmente HPV, que é transmitido por contato sexual sem proteção, incluindo o sexo oral.

Para se ter uma ideia, em cinco anos, nos EUA, cresceram 61% os pedidos de seguro de câncer de cabeça e pescoço, segundo relatório da FAIR Health, publicado em 2016. Para pesquisadores, esse aumento no índice pode estar relacionado à contração do HPV por meio do sexo oral, já que o número de fumantes vem se reduzindo no EUA com as campanhas antitabagistas.

Especificamente falando do câncer de boca e de garganta (orofaringe), vem ocorrendo um aumento de pacientes com essas doenças nos consultórios, que não fumam e/ou bebem e que são mais jovens. No Brasil, o Instituto Nacional do Câncer (Inca) estima que, por ano, o país registre 14 mil novos casos de câncer de boca. Nem todos são causados ou têm relação com a infecção pelo HPV, mas a participação do vírus vem aumentando. Hoje em dia, estima-se que o HPV está presente em cerca de 30% dos cânceres de boca em pacientes abaixo de 45 anos.

Importante ressaltar que nem todo mundo que tem infecção pelo HPV vai ter câncer de cabeça e pescoço, embora haja um aumento do risco. Outros fatores, como álcool e fumo, podem aumentar esse risco, se associados. A boa notícia é que os tumores de garganta relacionados ao HPV têm um melhor prognóstico em relação àqueles provocados pelo fumo, respondendo melhor à quimioterapia e à radioterapia e, muitas vezes, nem precisam de cirurgia.

A prevenção continua sendo o melhor caminho. Por isso, a indicação é de praticar o sexo oral com o uso de preservativos masculinos e femininos e, com isso, evitar o contato de pele e mucosa, sem infecção pelo HPV com a pele infectada. A médio e longo prazo, a imunização de crianças e adolescentes também pode ajudar na redução da infecção e, talvez, ter algum papel preventivo nesse panorama.

*Dr. Marcus Borba é especialista em Cirurgia de Cabeça e Pescoço, professor adjunto da Faculdade de Medicina da UFBA e líder da Unidade Especializada em Cirurgia de Cabeça e Pescoço do Hospital Português da Bahia.

Atendimento

UNICCAP - Hospital Português - segunda-feira (horário a combinar)
Marcação: 071 3507-3585

Centro de Oncologia CAM - Hospital Português - terça-feira, das 14h às 16h
Marcação: 071 3507-3585

Clínicas Clivale do Salvador Shopping - quarta-feira, das 18h às 21h
Marcação: 71 3310-0000 / 71 9 9969-7064

Clion - Avenida Oceânica - sexta-feira, das 8h às 12h
Marcação: 71) 2105-6565

Como operar comigo

- Se você tem plano de saúde
- Particular

Redes Sociais